segunda-feira, 14 de março de 2011

"O lugar para onde caminha os desenvolvimentos do problema da homossexualidade é o problema da amizade."

"Tão longe quanto me recordo, desejar rapazes é desejar relações com rapazes. E isso foi sempre, para mim, algo importante. Não forçosamente sob a forma do casal, mas como uma questão de existência: Como é possível para homens estarem juntos? Viver juntos, compartilhar seus tempos, suas refeições, seus quartos, seus lazeres, suas aflições, seu saber, suas confidências? O que é isso de estar entre homens "nus", fora das relações institucionais, de família, de profissão, de companheirismo obrigatório? É um desejo, uma inquietação, um desejo-inquietação que existe em muitas pessoas.

(...)

Há um livro que apareceu nos EUA sobre a amizade entre as mulheres (Faderman, L. Surpassing the Love of Men. New York: William Marrow, 1980). É muito bem documentado a partir de testemunhos de relações de afeição e paixão entre mulheres. No prefácio, a autora diz que ela havia partido da idéia de detectar as relações homossexuais e se deu por conta de que essas relações não somente não estavam sempre presentes, mas que não era interessante saber se se poderia chamar a isso de homossexualidade ou não. E que, deixando a relação desdobrar-se tal como ela aparece nas palavras e nos gestos, apareceriam outras coisas bastante essenciais: amores, afetos densos, maravilhosos, ensolarados ou mesmo, muito tristes, muito obscuros. Este livro mostra também em que ponto o corpo da mulher desempenhou um grande papel e os contatos entre os corpos femininos: uma mulher penteia outra mulher, ela se deixa maquiar e vestir. As mulheres teriam direito ao corpo de outras mulheres, segurar pela cintura, abraçar-se. O corpo do homem estava proibido ao homem de maneira mais drástica. Se é verdade que a vida entre mulheres era tolerada, é somente em certos períodos e a partir do séc. XIX que a vida entre homens foi, não somente tolerada, mas rigorosamente obrigatória: simplesmente durante as guerras.

Igualmente nos campos de prisioneiros. Havia soldados, jovens oficiais que passaram meses, anos juntos. Durante a guerra de 1914, os homens viviam completamente juntos, uns sobre aos outros, e, para eles isso não era nada, na medida em que a morte estava ali; e de onde finalmente a devoção de um ao outro, o serviço feito era sancionado por um jogo de vida e morte. Fora algumas frases sobre o coleguismo, sobre a fraternidade da alma, de alguns testemunhos muito parciais, o que se sabe sobre furacões afetivos, sobre essas tempestades do coração que puderam haver ali nesses momentos? E alguém pode perguntar o faz que nessas guerras absurdas, grotescas, nesses massacres infernais, que as pessoas, apesar de tudo, tenham se sustentado? Sem dúvida, um tecido afetivo. Não quero dizer que era porque eles estavam amando uns aos outros que continuavam combatendo. Mas a honra, a coragem, a dignidade, o sacrifício, sair da trincheira com o companheiro, diante do companheiro, isso implicava uma trama afetiva muito intensa. Isto não quer dizer: "Ah, está aí a homossexualidade!" Detesto este tipo de raciocínio. Mas sem dúvida se tem aí uma das condições, não a única, que permitiu suportar essa vida infernal em que as pessoas, durante semanas, rolassem no barro, entre os cadáveres, a merda, se arrebentassem de fome; e estivessem bêbadas na manhã do ataque."





De l'amitié comme mode de vie. (trechos de) Entrevista de Michel Foucault a R. de Ceccaty, J. Danet e J. le Bitoux, publicada no jornal Gai Pied, nº 25, abril de 1981, pp. 38-39. Tradução de wanderson flor do nascimento.
enviada a mim por minha amiga Nuccia.

13 comentários:

Guiga disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lixo.In.Process disse...

Acho esse texto de Foucault incrível!!!! ele fala pela e para a vida, consegue criar um território de pensamento e ação - já que pensar é experimentar - que instaura muito mais a horizontalidade da questão do que a enfatiza identitariamente. Aí a questão é de todos, questão de vida portanto.

Fernanda disse...

o derrida fala que no ocidente tem uma certa cultura falogocentrista em que a ûnica amizade amiga é aquela entre homens heterossexuais. na verdade, tem uma certa forma de conceber a amizade na historia da filosofia ocidental que trata de a associa-la com um tipo de complacência, de "pacificidade", etc... que tentam na verdade isolar da amizade tudo o que ela pode ter de ameaçador, perigoso, de mortal, de vital.

a sêde do peixe disse...

eu gosto de como ele dissolve a linha entre amor e amizade. de como ele "instrumentaliza" a experiência homossexual de acesso ao corpo do outro homem, apontando pro fato de que os homens que conseguem, ou precisam, fazer isso, acabam restringindo-na a uma expressão de suas sexualidades (também, forçosamente, muito bem definidas). estar pelado diante do outro poderia significar não sentir-se oprimido. (poderia?)
aí, acho que de certa forma ele também relativiza essa concepção de amizade. que nem você, fe. com esses amigos (e/ou amantes) que têm medo de se enfrentar, a amizade complacente e extremamente altruísta não consegue deixar de ser negligente.

Fernanda disse...

é... a amizade negligente nunca existiu. mas se a gente pudesse estender esse relativismo que vc comenta, as palavras começariam logo a dançar na nossa boca, e a gente iria mexer a lìngua junto, soltando "impropriedades", jogando com os sentidos; porque aì tudo poderia (?) ser so uma desculpa pra gente brincar com x outrx, e esse brincar nao poderia ser resumido em nenhuma ideia fixa, seja de sexo, amor, amizade, seja de beijo, abraço, passeio no bosque ou salada mista... em todo caso te deixo um beijo, pra nao facilitar nada.

a sêde do peixe disse...

Gramaticais - V

(Mas nada disso faz sentido,
porque é concreto, é existente.
Só significa o construído,
o que é postiço e excedente.

E quanto ao mundo - o que independe
dos artefatos, o que é dado
a todos e ninguém entende -
o mundo vai bem, obrigado,

e não quer dizer coisa alguma.
Porém o jogo continua,
como sempre, é claro - talvez

um pouco mais seco, mais duro,
sim, um pouco mais inseguro.)
Pronto - Agora é a sua vez.



Paulo Henriques Britto

a sêde do peixe disse...

se a gente pudesse, a gente poderia e talvez fosse bom talvez não
um beijo

Fernanda disse...

então vamos inverter a fundação das coisas. o concreto não é um dos possíveis realizáveis. não há possível que a partir do que se efetiva. para aplacar a dureza das coisas, todo possível é concretizável. mas saber se esse concretizável é bom ou ruim daria já um outro comentário.

Fernanda disse...

mil beijos concretizáveis a teu belo prazer.

a sêde do peixe disse...

tá, eu fui leviana com o foucault - como você foi comigo me mandando esses mil beijos do outro lado do oceano

Anônimo disse...

nao, cê num foi leviana, nao, mas acho que eu fui sem querer. e fico sem saber se te deixo um beijo ou um ponto final

a sêde do peixe disse...

fui sim. prefiro o beijo.

Anônimo disse...

a carta chegou.
hm beijo